O frio

Ola Seja bem vindo!
Fiquem a vontade.
Não esqueçam de deixar um comentário
Beijos
Eneida Lovely

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Minha grama é mais verde

Certo homem encontrou-se com um amigo, que era um grande e reconhecido poeta, e pediu-lhe:
- Olá, meu amigo… Que bom encontrá-lo. Estava pensando justamente em você. Vou vender o meu sítio, que você conhece tão bem. Poderia redigir para mim o anúncio do jornal?
O poeta, prontamente, apanhou o papel e escreveu:
“Vende-se encantadora propriedade, onde cantam os pássaros ao amanhecer no extenso arvoredo, cortada por cristalinas e marejantes águas de um ribeiro. A casa banhada pelo sol nascente oferece a sombra tranqüila das tardes, na varanda”.
- Ficou ótimo, meu amigo. Eu sabia que ninguém poderia fazer um anúncio melhor que você. Obrigado.
Meses depois, os dois se reencontraram e o poeta perguntou ao homem se já havia conseguido vender o sítio.
- Nem pense mais nisso, meu amigo. Quando cheguei em casa e li o anúncio para a minha esposa, descobrimos que somos donos de um pequeno paraíso.

Eu te louvarei, Senhor,
com todo o meu coração;
contarei todas as tuas
maravilhas.
Salmo 9.1

terça-feira, 21 de agosto de 2012

O valor da Bíblia








Há muitos anos, existiu um homem muito rico que no dia do seu aniversário convocou a criadagem a sua sala para receberem presentes. Colocou-os a sua frente na seguinte ordem: cocheiro, jardineiro, cozinheira, arrumadeira e o pequeno mensageiro. Em seguida dirigindo-se a eles, explicou o motivo de, os haver chamado até ali e, por fim, fez-lhes uma pergunta, esperando de cada um a sua própria resposta.

Essa foi á pergunta feita:
O que você prefere receber agora: está Bíblia ou este valor em dinheiro?

Eu gostaria de receber a Bíblia (respondeu pela ordem o COCHEIRO). Mas como não aprendi a ler, o dinheiro me será bastante útil! Recebeu então a nota de valor elevado na época, e agradeceu ao patrão. Ele pediu-lhe que permanecesse em seu lugar. Era a vez do JARDINEIRO, fazer a sua escolha e escolhendo bem as palavras, falou: Minha mulher está adoentada e por está razão tenho necessidade do dinheiro. Em outra circunstância escolheria, sem dúvida, a Bíblia. Como aconteceu com o primeiro, ele também permaneceu na sala após receber o valor das mãos do patrão. Agora pela ordem falaria a COZINHEIRA, que teve tempo de elaborar bem a sua resposta: Eu sei ler, porém, nunca encontro tempo para sequer folhear uma revista; portanto, aceito o dinheiro para comprar um vestido novo. Eu já possuo uma Bíblia e não preciso de outra; sendo assim, prefiro o dinheiro, informou a ARRUMADEIRA em poucas palavras. Finalmente, chegou a vez do PEQUENO MENSAGEIRO. Sabendo-o bastante necessitado, o patrão adiantou-se em dizer-lhe: Certamente você também irá preferir dinheiro, para comprar uma nova sandália, não é isso, meu rapaz?

Então respondeu o pequeno mensageiro: Muito obrigado pela sugestão. De fato estou precisando muito de um calçado novo, mas vou preferir a BÍBLIA. Minha mãe me ensinou que a PALAVRA DE DEUS é mais desejável do que o OURO.

Ao receber o bonito volume, o menino FELIZ o abriu e nisso caiu aos seus pés uma moeda de ouro. Virando outras páginas, foi deparando com outros valores em notas. Vendo isso, os outros criados perceberam o SEU ERRO e ENVERGONHADOS deixaram o recinto.

A sós com o menino, disse-lhe comovido o patrão: "Que Deus o abençoe, meu filho, e também a sua mãe, que tão bem o ensinou a VALORIZAR a PALAVRA DE DEUS".

Pense agora:
"O que pode ser mais VALIOSO do que a PALAVRA DE DEUS?"

OBS: Repare que o Pequeno Mensageiro poderia ter aceitado o dinheiro e comprado algo para ele. Mas ele preferiu a Bíblia, a palavra de Deus. Ele não valorizou o dinheiro que lhe ofereceram, mas deu VALOR a Bíblia que é mais desejável do que o OURO. E Deus o honrou com a sua escolha.

Quantos dariam VALOR a Palavra de Deus? Poucos! Porque muitos olham o Dinheiro como se fosse tudo na vida. Mas na verdade DEUS é TUDO. Dinheiro não lhe dará SALVAÇÃO.

Tudo aquilo que nós precisamos, Deus tem e deseja que tenhamos.
Basta aceitarmos o que Ele nos oferece..

(PENSE NISSO)

 Beijos
Eneida Lovely

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Decálogo contra maus tratos à idosos

1- Dignidade. Os idosos devem ser tratados com
respeito.
2- Inclusão social. Evite, nos idosos, isolamento e
solidão.
3- Ação imediata, quando detectar sinais de
ferimentos sofridos pelos idosos, por abuso e
negligência.
4- Personalizar o seu ambiente. Adaptar o espaço para
garantir a independência dos idosos.
5- Responder ao desejo de satisfazer as necessidades
de saúde dos idosos.
6- A boa qualidade da alimentação, de acordo com
gostos e necessidades dos idosos.
7- Respeitar a privacidade dos idosos.
8- Promover a manutenção ou arecuperação do
máximo de autonomia dos idosos.
9- Auxílio de cuidadores e familiares para facilitar a
mobilização, higiene e limpeza nos idosos.
10- Envolver as famílias no cuidado e na tomada de
decisão compartilhada.

terça-feira, 14 de agosto de 2012

A tigela de madeira

”Um senhor de idade foi morar com o seu filho, a nora e o netinho de 4 anos de idade. Pela sua já avançada idade, as mãos do velhinho eram trêmulas, a sua visão embaçada e os seus passos vacilantes…
A família comia reunida à mesa. Mas, as mãos trêmulas e a fraca visão do avô atrapalhavam-no na hora de comer. As ervilhas rolavam da sua colher e caíam no chão. Quando pegava no copo, o leite era derramado na toalha da mesa. O filho e a nora irritavam-se com a bagunça…
- Precisamos tomar uma providência com respeito ao pai, disse o filho. Já tivemos suficiente leite derramado, barulho de gente a comer com a boca aberta e comida pelo chão,acrescentou a nora…
Então, eles decidiram colocar uma pequena mesa num cantinho da cozinha. Ali, o avô comia sozinho enquanto a restante família fazia as refeições à mesa, com satisfação.
Mais tarde, desde que o velhinho quebrara um ou dois pratos, a sua comida passou a ser servida numa tigela de madeira…
Quando a família olhava para o avô sentado ali sozinho, às vezes ele tinha lágrimas nos seus olhos… Mesmo assim, as únicas palavras que lhe diziam eram ásperas quando ele deixava um talher ou comida cair ao chão.
O menino de 4 anos de idade assistia a tudo em silêncio. Uma noite, antes do jantar, o pai percebeu que o seu filho estava no chão, manuseando pedaços de madeira.
Ele perguntou delicadamente à criança: O que estás a fazer, filho?
O menino respondeu docemente: -Oh, estou a fazer uma tigela para você e a mamã comerem, quando eu crescer… O garoto de 4 anos de idade sorriu e voltou ao trabalho.
Aquelas palavras tiveram um impacto tão grande nos pais que eles ficaram mudos! Então lágrimas começaram a escorrer dos seus olhos...
Embora ninguém tivesse falado nada, ambos sabiam o que precisava ser feito. Naquela noite o pai tomou o avô pelas mãos e gentilmente conduziu-o à mesa da família. Dali para a frente e até o final dos seus dias ele comeu todas as refeições com a família.
E por alguma razão, o marido e a esposa não se importavam mais quando um garfo caía, o leite era derramado ou a toalha da mesa ficava suja…”
Esta história, de um autor desconhecido, mostra-nos que as maiores lições de vida por vezes vêm da mão de uma criança… Beijo Eneida Lovely

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

O frio

Conta-se que seis homens ficaram presos numa caverna por causa de uma avalanche de neve.
Teriam que esperar até o amanhecer para receber socorro. Cada um deles trazia um pouco de lenha e havia uma pequena fogueira ao redor da qual eles se aqueciam. Eles sabiam que se o fogo apagasse todos morreriam de frio antes que o dia clareasse.
Chegou a hora de cada um colocar sua lenha na fogueira. Era a única maneira de poderem sobreviver.
O primeiro homem era racista. Ele olhou demoradamente para os outros cinco e descobriu que um deles tinha a pele escura.
Então, raciocinou consigo mesmo: "aquele negro! Jamais darei minha lenha para aquecer um negro". E guardou-a protegendo-a dos olhares dos demais.
O segundo homem era um rico avarento. Estava ali porque esperava receber os juros de uma dívida. Olhou ao redor e viu um homem da montanha que trazia sua pobreza no aspecto rude do semblante e nas roupas velhas e remendadas.
Ele calculava o valor da sua lenha e, enquanto sonhava com o seu lucro, pensou: "eu, dar a minha lenha para aquecer um preguiçoso", nem pensar.
O terceiro homem era negro. Seus olhos faiscavam de ressentimento. Não havia qualquer sinal de perdão ou de resignação que o sofrimento ensina.
Seu pensamento era muito prático: "é bem provável que eu precise desta lenha para me defender.
“Além disso, eu jamais daria minha lenha para salvar aqueles que me oprimem”. E guardou suas lenhas com cuidado.
O quarto homem era um pobre da montanha. Ele conhecia mais do que os outros os caminhos, os perigos e os segredos da neve.
Este pensou: "esta nevasca pode durar vários dias. Vou guardar minha lenha."
O quinto homem parecia alheio a tudo. Era um sonhador. Olhando fixamente para as brasas, nem lhe passou pela cabeça oferecer a lenha que carregava.
Ele estava preocupado demais com suas próprias visões (ou alucinações?) Para pensar em serútil.
O último homem trazia nos vincos da testa e nas palmas calosas das mãos os sinais de uma vida de trabalho. Seu raciocínio era curto e rápido."esta lenha é minha. Custou o meu trabalho. Não darei a ninguém nem mesmo o menor dos gravetos".
Com estes pensamentos, os seis homens permaneceram imóveis. A última brasa da fogueira se cobriu de cinzas e, finalmente apagou.
No alvorecer do dia, quando os homens do socorro chegaram à caverna encontraram seis cadáveres congelados, cada qual segurando um feixe de lenha. Olhando para aquele triste quadro, o chefe da equipe de socorro disse: "o frio que os matou não foi o frio de fora, mas o frio de dentro".
Não deixe que a friagem que vem de dentro mate você.
Abra o seu coração e ajude a aquecer aqueles que o rodeiam.
Não permita que as brasas da esperança se apaguem, e nem que a fogueira do otimismo vire cinzas.
Contribua com seu graveto de amor e aumente a chama da vida onde quer que você esteja.

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

A escolha


Um aprendiz se aproximou do mestre e disse:

-"Mestre, gostaria de ser um grande lutador de karatê mas penso que também devia me dedicar ao judô de modo a conhecer muitos estilos de luta. Só assim poderia ser o melhor de todos."

E o mestre respondeu:

-"Se um homem vai para o campo e começa a correr atrás de 2 raposas ao mesmo tempo, vai chegar um momento em que cada uma correrá para um lado. Ele ficará indeciso sobre qual continuará perseguindo. Enquanto decide, ambas fugiram...
Quem deseja ser um mestre tem de escolher apenas uma opção. E se dedicar, e fazer o melhor possível exatamente nessa que optou."

Fonte: Velho Sabio

Beijos
Eneida Lovely
 
©2007 inicio
©2007 Designer -- Eneida Lovely-- XML por Templates e Acessorios